A construção de terceira pista em vários trechos que hoje são gargalos e a ampliação de marginais em pontos críticos, principalmente no trecho entre Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz são as principais reivindicações da Frente Parlamentar da Grande Florianópolis, que se reuniu (26.11) no plenarinho da Assembleia Legislativa de SC (Alesc) com a presença de deputados, prefeitos, vereadores e lideranças. O Diretor Administrativo da Associação Empresarial de Palhoça (ACIP), Rodrigo Rocha, representou a entidade no encontro, coordenado pelo deputado Nazareno Martins, que represente Palhoça e região.

O coordenador da frente e proponente da reunião, o deputado Nazareno destacou a importância da união dos deputados da região em prol desta reivindicação e afirmou que será encaminhado um documento solicitando apoio do Fórum Parlamentar Catarinense, que reúne os três senadores e os 16 deputados federais, para que sejam liberados recursos para obras na rodovia.

Também participaram da reunião os deputados João Amin, Marlene Fengler, Marcius Machado, Valdir Cobalchini, e Sergio Motta, prefeitos e vereadores de pelo menos 11 cidades que tem contato territorial com a 282. O Prefeito de Palhoça, Camilo Martins, foi um dos presentes.

No total a BR 282 tem 680,6 quilômetros entre Florianópolis a Paraíso, no Extremo-Oeste, e em todo seu percurso há apenas três trechos duplicados – que totalizam 40,6 quilômetros. Ou seja, 5,96% da rodovia. Os municípios do entorno da BR 282 são responsáveis por cerca de 24% do PIB de Santa Catarina, agregam 1,7 milhão de habitantes (IBGE/2018) e geram um PIB de aproximadamente R$ 61,6 bilhões (IBGE/2016).

O superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em Santa Catarina, Ronaldo Carioni Barbosa, afirmou que a execução de obras depende de verbas federais aprovadas e incluídas no orçamento. Existem perspectivas, segundo ele, da aplicação de R$ 132 milhões, R$ 32 milhões de emendas impositivas e R$ 100 milhões de emenda não impositiva. Carioni alertou que este valor está previsto para 2020 para toda a rodovia. “A bancada de parlamentares é que vai decidir onde será feita a aplicação”, esclareceu.

Para o Diretor da ACIP, Rodrigo Rocha, o panorama apresentado para a BR 282 não difere muita de outras grandes necessidades de logística de transportes na região, tais como a obra de contorno e o sistema de mobilidade urbana da Grande Florianópolis. “A questão chave não muda, continua a mesma, é a garantia de aplicação de recursos federais em nossa região, em um volume compatível com as necessidades e com o peso econômico de nosso Estado. Essa reciprocidade entre o que se arrecada e o que retorna ainda não acontece. Será preciso muita pressão política para que o Governo Federal de sensibilize com mais esta reivindicação”, afirma Rocha.

Deputado Nazareno Martins e o Diretor Administrativo Rodrigo Rocha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *