A Associação Empresarial de Palhoça (ACIP)  participou do evento promovido pelo Sebrae/SC no Atrium Pedra Branca (09.05), em parceria com Fatenp, Inaitec e Impact Hub, uma discussão sobre o potencial turístico de Palhoça e como a agregação de tecnologia está promovendo transformações na atividade turística em geral. O convidado especial foi o ex-ministro de Turismo e também ex-presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto. Na discussão, foram apresentados os potenciais de Palhoça e região e as possibilidades de transformar estes atrativos em produtos turísticos.

O Presidente da ACIP, Marcos Cardoso, participou do evento que contou também com a presença do Secretário Municipal de Turismo, Adriano Matos, da Coordenadora Regional do Sebrae, Soraya Tonelli, do Coordenador do Curso de Turismo da Faculdade Municipal de Palhoça, Alexandre Lisboa da Silva e do conselheiro e associado ACIP,  Carlos Laurindo. O professor Vitor Ferreira representou a Fatenp, mantenedora ACIP e Ana Hoffmann representou o Impact Hub, também parceira no evento.

Cardoso deu as boas-vindas aos participantes destacando que a ACIP tem uma linha de atuação também focada em ações sustentáveis e que respaldem propostas de estímulo ao turismo como forma de gerar renda, desenvolvimento econômico e ainda garantir a permanência das pessoas no município de Palhoça.

Luiz Barretto apresentou estatísticas do desempenho do turismo no Brasil, Santa Catarina e Grande Florianópolis, com ênfase para Palhoça e seus potenciais em produtos das chamadas alta e baixa temporadas. Palhoça é apontado como o quarto principal destino turístico catarinense de alta temporada.

Também através de dados estatísticos, Barretto mostrou que o incremento do turismo precisa acontecer através da transformação de atrativos turísticos em produtos e alvos de rotas. “O turista quer não apenas fazer um passeio, ele quer fazer uma experiência onde se sinta protagonista. Logo, a sua escolha irá recair sobre opções atraentes e que despertem interesse e curiosidade”, afirmou.

Para Palhoça, Barretto recomenda que as entidades empresariais e as organizações públicas promovam conversas regionais para definir prioridades no médio e longo prazo, pensando nos próximos dez, vinte anos, ações que também façam a integração dos diversos segmentos da cadeia produtiva local.

Segundo ele, a atividade turística vive de recomendação e as ferramentas digitais ganham cada vez mais importância nas decisões de consumo dos turistas. “Estamos numa era onde o uso de tecnologia promove um crescimento muito rápido do ciclo de mudanças da economia. Quem quer crescer no setor turístico deve estar engajado neste processo”, concluiu Barretto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *