ACIP participa da criação do Conselho Permanente de Segurança de Palhoça

Um encontro que reuniu lideranças de Conselhos de Segurança (Consegs) de várias regiões da cidade e dirigentes das entidades de representação classista do município, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SC – Seção Palhoça), a Associação Empresarial de Palhoça (ACIP) e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Palhoça (CDL) – local da reunião –  formalizou a criação (12.02) do Conselho Permanente de Segurança de Palhoça (CPSPh) . A motivação da iniciativa tem como causa os graves e crescentes problemas de falta de segurança pública em Palhoça.

Essas lideranças entendem que o empresariado e demais moradores conectados às redes de Consegs, podem e devem colaborar nesta mobilização. A união de esforços, segundo eles, tem como objetivo criar uma força política para a defesa de pleitos junto a órgãos públicos e criar melhores chances de êxito para as estratégias de ações que forem aprovadas.

A principal conclusão do encontro definiu objetivos em dois planos distintos, uma pauta de ações viáveis a curto prazo e um planejamento estratégico para ações preventivas e também de combate ao crime conectadas com uma política social no longo prazo, através de uma interlocução permanente junto a todas as autoridades públicas estabelecidas no município.

As lideranças do CPSPh entendem que o empresariado e demais moradores conectados as redes de  Consegs podem e devem colaborar nesta mobilização por mais segurança para os moradores do município. A união de esforços, segundo eles, tem como objetivo criar uma força política para defesa de pleitos junto a órgãos públicos e criar melhores chances de êxito para as estratégias de ações que forem aprovadas.

Nas manifestações dos participantes neste primeiro encontro foram lembradas situações como uma grande mobilização comunitária e política ocorrida em Palhoça em 2009, quando se registrava a atuação de 190 policiais militares na região, um número considerado na época como insuficiente. Hoje, dez anos depois, a cidade conta com 184 PMs e cerca de 100 mil moradores a mais.

A falta de efetivo foi um dos problemas considerados mais graves. O Conselho avalia ainda que o monitoramento por câmeras de vigilância em pontos estratégicos; a criação de uma guarda municipal e a integração do poder público com a comunidade através de projetos sociais que reduzam as chances de crescimento da delinquência, certamente contribuiriam em muito para amenizar o problema.

Enquanto trabalha e formaliza metas de atuação, o Conselho Permanente de Segurança de Palhoça terá encontros mensais quando serão definidas as estratégias e pautas de atuação, bem como as agendas com agentes públicos e privados para colocar em prática os seus objetivos.

compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também