ACIP participa da fundação do Observatório Social de Palhoça (OSPh)

A Associação Empresarial de Palhoça (ACIP) participa, com três representantes de sua Diretoria Executiva, da Diretoria Executiva do Observatório Social de Palhoça (OSPh). O ato oficial de fundação da entidade foi realizado na sede da subseção da OAB de Palhoça na noite desta quarta-feira (20.07) com a presença de representantes de diversas entidades civis e autoridades.

Participaram do ato de fundação o chefe da Controladoria Geral da União – Regional Santa Catarina, Carlos Alberto Rambo, o Promotor de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina. Coordenador do Centro de Apoio Operacional da Moralidade Administrativa, Samuel Dal-Farra Naspolini, Leandro Rachadel, Presidente da presidente da Subseção de Palhoça da OAB e Nei da Nóbrega Ribas, Presidente do Observatório Social do Brasil. 

Nesta assembléia de criação do Observatório Social de Palhoça foi eleita sua primeira Diretoria Executiva com a presença de três integrantes da ACIP. O Diretor Jurídico, Ivan Cadore, assumiu o cargo de Vice Presidente; Joel Aterino de Souza, Diretor de Relacionamento com o Mercado, é Diretor para Assuntos Institucionais e Alianças e o Vice Presidente Marcos Cardoso Canto integra o Conselho Fiscal. O OSPh será presidido por Anderson Silveira de Souza.

O Presidente do Observatório Social do Brasil, Nei da Nóbrega Ribas, apresentou a estrutura da rede de entidades espalhadas pelo País. Os observatórios existem hoje em 109 cidades de 19 estados e tem mais 232 cidades em fase de preparação. A estimativa é de que a atuação das unidades do observatório contribuiu para evitar que cerca de R$ 1 bilhão em recursos públicos tenha sido gasto indevidamente.

O trabalho dos observatórios é voluntário e destina-se a atuar como organismo de apoio à comunidade na pesquisa, análise e divulgação de informações sobre o comportamento de entidades e órgãos públicos com relação à aplicação de recursos, aos resultados gerados e à qualidade da prestação de serviços.

Ativo participante do grupo de trabalho que resultou na fundação do Observatório Social de Palhoça, Joel Aterino de Souza salientou que a iniciativa valoriza o trabalho voluntário de pessoas que se propõe a defender, na prática, a melhor qualidade da execução de políticas públicas através do acompanhamento e da fiscalização da aplicação dos recursos arrecadados pelos impostos. “Acima de tudo, a atuação do OBSPh reforça nosso conceito de Cidadania”, afirmou.

 

compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também