Entidades pedem ampliação de setores essenciais

A Federação das Associações Empresariais de SC (Facisc), a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de SC (FCDL/SC), e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC) enviaram (24.03) um ofício ao governo do Estado pedindo a liberação da abertura de mais setores do comércio. As entidades querem incluir na lista de estabelecimentos essenciais o varejo de auto peças, oficinas mecânicas, lavanderias, lojas de materiais de construção, entre outros setores.

O documento foi encaminhado para o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, que comanda o grupo de trabalho para reduzir o impacto financeiro da quarentena, ao secretário de Administração, Jorge Eduardo Tasca, e ao chefe da Defesa Civil, coronel João Batista Cordeiro Júnior.

No ofício, as entidades também solicitam a autorização para hospedagem de vendedores e entregadores que trabalham na distribuição de produtos, como caminhoneiros, por exemplo. No texto, os empresários pedem ainda que “sejam reavaliados a possibilidade diariamente de setores de maneira gradativa para uma retomada mais acelerada das atividades”.

Atualmente, pelo decreto do governo, estão autorizados a operar as farmácias, supermercados, distribuição de água e gás, agropecuárias, clínicas médicas, postos de combustíveis e conveniências, feiras, deliverys, transportes por aplicativo e táxi. Os estabelecimentos de comércio devem obedecer o teto de 50% da capacidade de atendimento. As indústrias têm regras próprias.

Assinaram o documento os presidentes da FCDL/SC, Ivan Roberto Tauffer, da Facisc, Jonny Zulauf, e da Fecomércio/SC, Bruno Breithaupt.

O que consta do ofício:

– Liberação do comércio de auto peças e materiais de construção, lavanderias, oficinas mecânicas, borracharias e auto-centers, prestação de serviços e reparos residenciais e condominiais, assim como atividade imobiliárias e serviços condominiais;

– Garantia e segurança para que o varejo funcione na modalidade e-commerce;

– Autorização para hospedagem de vendedores e entregadores que trabalham na distribuição de produtos;

– Pedido para reavaliação constante das medidas adotadas e liberação gradativa das atividades para uma retomada mais acelerada.

compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também