Frente Parlamentar defende melhorias na BR 282, que depende de verbas

A construção de terceira pista em vários trechos que hoje são gargalos e a ampliação de marginais em pontos críticos, principalmente no trecho entre Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz são as principais reivindicações da Frente Parlamentar da Grande Florianópolis, que se reuniu (26.11) no plenarinho da Assembleia Legislativa de SC (Alesc) com a presença de deputados, prefeitos, vereadores e lideranças. O Diretor Administrativo da Associação Empresarial de Palhoça (ACIP), Rodrigo Rocha, representou a entidade no encontro, coordenado pelo deputado Nazareno Martins, que represente Palhoça e região.

O coordenador da frente e proponente da reunião, o deputado Nazareno destacou a importância da união dos deputados da região em prol desta reivindicação e afirmou que será encaminhado um documento solicitando apoio do Fórum Parlamentar Catarinense, que reúne os três senadores e os 16 deputados federais, para que sejam liberados recursos para obras na rodovia.

Também participaram da reunião os deputados João Amin, Marlene Fengler, Marcius Machado, Valdir Cobalchini, e Sergio Motta, prefeitos e vereadores de pelo menos 11 cidades que tem contato territorial com a 282. O Prefeito de Palhoça, Camilo Martins, foi um dos presentes.

No total a BR 282 tem 680,6 quilômetros entre Florianópolis a Paraíso, no Extremo-Oeste, e em todo seu percurso há apenas três trechos duplicados – que totalizam 40,6 quilômetros. Ou seja, 5,96% da rodovia. Os municípios do entorno da BR 282 são responsáveis por cerca de 24% do PIB de Santa Catarina, agregam 1,7 milhão de habitantes (IBGE/2018) e geram um PIB de aproximadamente R$ 61,6 bilhões (IBGE/2016).

O superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em Santa Catarina, Ronaldo Carioni Barbosa, afirmou que a execução de obras depende de verbas federais aprovadas e incluídas no orçamento. Existem perspectivas, segundo ele, da aplicação de R$ 132 milhões, R$ 32 milhões de emendas impositivas e R$ 100 milhões de emenda não impositiva. Carioni alertou que este valor está previsto para 2020 para toda a rodovia. “A bancada de parlamentares é que vai decidir onde será feita a aplicação”, esclareceu.

Para o Diretor da ACIP, Rodrigo Rocha, o panorama apresentado para a BR 282 não difere muita de outras grandes necessidades de logística de transportes na região, tais como a obra de contorno e o sistema de mobilidade urbana da Grande Florianópolis. “A questão chave não muda, continua a mesma, é a garantia de aplicação de recursos federais em nossa região, em um volume compatível com as necessidades e com o peso econômico de nosso Estado. Essa reciprocidade entre o que se arrecada e o que retorna ainda não acontece. Será preciso muita pressão política para que o Governo Federal de sensibilize com mais esta reivindicação”, afirma Rocha.

Deputado Nazareno Martins e o Diretor Administrativo Rodrigo Rocha.
compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também