Nota oficial da Associação Empresarial de Palhoça (ACIP)

É no mínimo curioso que algumas entidades de classe sejam contrárias a tomada de medidas para que 13,5 milhões de brasileiros desempregados possam voltar ao mercado de trabalho. Impedir o avanço da reforma da previdência, a modernização das leis trabalhistas e a possibilidade de terceirização em todas as atividades, são atitudes que irão prolongar a maior crise da história e, sobretudo, aprofundar o desemprego, a informalidade e o sofrimento.
Ao invés de defender o trabalho, sindicatos laborais convocam a greve geral e vão às ruas pela própria sobrevivência; embora não digam isto aos seus representados. É óbvio. Uma das medidas que avançam com a reforma trabalhista é o fim da contribuição sindical compulsória, de natureza tributária, principal fonte de recursos da maioria dos sindicatos do país. Enquanto o Brasil experimenta o pior índice de desemprego da história, o tema sequer integra a pauta de reivindicações destes sindicatos. Diferente, aliás, do que fizeram na última greve geral, de 1996.
Nas convocações aos trabalhadores para o movimento grevista, afirma-se que as condições de trabalho poderão se tornar ainda mais “cruéis” caso estas medidas sejam implementadas. Esquecem-se que crueldade é não ter onde trabalhar, é viver sem perspectivas e não ter condições de prover o sustento da própria família. Não há trabalho sem as empresas e estas não existem sem o trabalho.
A Associação Empresarial de Palhoça (ACIP) é frontalmente contrária a qualquer paralisação da produção e se posiciona favorável a continuidade dos debates que trarão medidas para contribuir com a retomada do crescimento, com a melhoria da segurança jurídica e das relações de trabalho e com a sustentabilidade da previdência social.
Somente um novo ciclo de desenvolvimento, alicerçado por reformas profundas, será capaz trazer oportunidades para quem, neste momento, sequer trabalho e renda possui. A ACIP considera imprescindível que estas e outras medidas – como as reformas política, tributária e o combate à corrupção – avancem em busca do reequilíbrio e da estabilização do país.

 

ACIP – ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PALHOÇA
Palhoça, 26 de abril de 2017
compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também