Precisando de crédito? Parceria com o Banco da Família vai oferecer microcrédito em Palhoça

A Associação Empresarial de Palhoça (ACIP) e o Banco da Família deram início ao processo para estabelecimento de uma parceria na qual a Entidade será captadora de operações do Banco da Família, que atende exclusivamente o microcrédito.  O ponto de partida foi dado na reunião de Diretoria da Acip, na qual participaram a presidente do Conselho do Banco da Família, Isabel Baggio e o conselheiro Carlos Eduardo de Liz.

O ponto de partida será uma sondagem prévia em Palhoça e região para que seja levantado o potencial de aceitação dos produtos financeiros que fazem parte da carteira da instituição que, na realidade, é uma Organização da Sociedade Civil e Interesse Público (Oscip). Com base nesta avaliação de potencial de mercado a ACIP fará o treinamento de captadores e as operações poderão ser iniciadas.

O Presidente da ACIP, Marcos Cardoso, demonstra todo o seu entusiasmo pelo projeto. “Temos localidades aqui no município com carência de oportunidades de pequenos negócios e a chance dada pelo Banco da Família supre uma lacuna que as instituições financeiras de grande porte não conseguem atender.  O componente social e de acesso à cidadania faz toda a diferença, pelos cases apresentados.

O Diretor Institucional da ACIP, Valdir Tomazzi, responsável pela aproximação com a instituição, que tem sede de Lages, acha que existe um espaço considerável para a absorção dos recursos do Banco da Família. Eles emprestam recursos para que não tem acesso e isso fará toda a diferença em comunidades mais carentes de Palhoça, tais como a Frei Damião.

Isabel Baggio contou que o Banco da Família começou em 1998 como Banco da Mulher, por uma iniciativa da Câmara da Mulher Empresária, da Associação Comercial e Industrial de Lages (ACIL), com a missão de ser uma alternativa de crédito aos pequenos negócios, formais e informais.

– Foi assim que preenchemos uma lacuna existente à época, na oferta de crédito para impulsionar o empreendedorismo na região de Lages (SC), onde 98% dos negócios eram micro ou pequenas empresas. Em 2003, diante de novas exigências e necessidades, visando aumentar a sua abrangência, a instituição mudou e ampliou, passando a se chamar Banco da Família – prosseguiu.

Com um modelo eficaz, que permitiu que o seu crescimento acontecesse de forma sustentável, a instituição é hoje a maior operadora de microcrédito do Sul do país. Em pelo menos de 20 anos concedeu cerca de R$ 750 milhões de crédito, impulsionando os negócios de mais de 250 mil empreendedores, em 80 municípios de Santa Catarina e Rio Grande do Sul e também no Paraná.

O Conselheiro Carlos Eduardo de Liz chama a atenção para diferenciais do BF. “Nossa análise de crédito inclui o caráter das pessoas. Qual é a financeira ou banco que levem em conta um quesito desses? 90% dos nossos clientes são informais e caso demonstrem condição de pagamento dentro do que é proposto o crédito é liberado. O engajamento dos nossos clientes é tão forte que registramos apenas 0,47% de taxa de perda. E mais da metade das operações é feita para mulheres. Fazemos questão de manter essa proporção, 55% dos contratos com mulheres e 45% com homens”.

Saiba mais e conheça histórias inspiradoras de sucesso de micro empreendedores bem sucedidos com o apoio do Banco da Família. Clique aqui

Foto: Valdir Tomazzi, diretor da Acip, Isabel Baggio e Carlos Eduardo de Liz do Banco da Família

compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
tags
veja também